Entenda a lesão de Neymar no joelho e por que o atacante vai passar por cirurgia

cOMPARTILHE:

A lesão no joelho esquerdo sofrida pelo atacante Neymar durante o jogo do Brasil contra o Uruguai é uma das mais comuns entre jogadores de futebol: segundo a CBF informou nesta quarta-feira (18), ele rompeu o ligamento cruzado anterior e do menisco – e precisará passar por cirurgia.

As lesões nos joelhos, assim como nos tornozelos e coxas, estão entre as mais frequentes nesse esporte porque o peso do corpo recai totalmente sobre as pernas, sobrecarregando e desgastando a musculatura e as articulações dos membros inferiores.

Ainda não há definição sobre data nem local da cirurgia. Neymar retornou há pouco tempo de uma grave lesão nos ligamentos do tornozelo direito, que o deixou seis meses afastado dos campos.

Onde foi a lesão?

O atacante rompeu o ligamento cruzado anterior (LCA) do joelho esquerdo. Esse ligamento é o que que mantém o joelho estável. Por isso, sua ruptura dificulta movimentos rápidos e aumenta o risco de outras lesões no joelho.

Ele também sofreu uma lesão no menisco, que é um tipo de cartilagem encontrada entre os ossos da articulação do joelho e que atua como um amortecedor, distribuindo a carga do joelho e protegendo os ossos durante a movimentação do corpo.

Segundo Alexandre Penna Torini, médico de Cirurgia do Quadril da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo, ambas as estruturas são fundamentais para o funcionamento da articulação.

Dessa forma, a lesão do menisco acontece junto, muitas vezes, com a lesão do cruzado anterior no mecanismo de torção do joelho, que foi o que aconteceu com o jogador.
— Alexandre Penna Torini, médico da BP

Quais as causas mais comuns e os sintomas?

As causas mais comuns da ruptura desse ligamento cruzado anterior são: entorse (como no caso de Neymar); hiperextensão (quando se estica o joelho além do normal e o cruzado não suporta); e queda de própria altura, com contusão do joelho.

Segundo Moisés Cohen, médico ortopedista do Hospital Israelita Albert Einstein, lesões do tipo no futebol são extremamente comuns, especialmente devido ao frequente movimento de rotação do corpo.

“A cada seis segundos, os atletas realizam movimentos inesperados e, se o pé fica fixo no chão enquanto o corpo gira, isso pode levar a lesões. O ligamento cruzado anterior é frequentemente afetado nesses movimentos”, diz o especialista.

Os principais sintomas incluem dor e inchaço tão fortes que a pessoa não consegue pisar. Após a lesão, Neymar deixou o estádio de muletas.

Por que a cirurgia é indicada?

 

O médico Moisés Cohen explica que a cirurgia é frequentemente a opção indicada para tratar um joelho com um ligamento cruzado anterior lesionado, especialmente em indivíduos jovens e ativos que relatam instabilidade no joelho durante suas atividades diárias ou esportivas. O motivo é que esses pacientes têm um maior risco de lesões subsequentes.

O ligamento cruzado anterior age como um elástico, que se retrai quando é rompido, encurtando-se. Alguns podem questionar se a cicatrização não pode resolver isso, e, de fato, é possível que o ligamento cicatrize. Porém, se não for tratado [com cirurgia], a cicatrização pode resultar em um ligamento frouxo.
— Moisés Cohen, médico ortopedista

Como é o tratamento cirúrgico?

A cirurgia tem como objetivo restaurar a funcionalidade normal do joelho e, assim, reduzir o risco de lesões futuras.

Para reconstruir o ligamento, durante o procedimento cirúrgico, o ligamento danificado é substituído por um enxerto feito de tecido retirado do próprio paciente.

Existem várias abordagens cirúrgicas disponíveis, sendo a escolha da técnica determinada com base nas necessidades e características específicas de cada paciente, em conjunto com as recomendações do médico.

Qual o tempo de recuperação?

Em geral, o tempo mínimo previsto para retorno às atividades em lesões parecidas é de seis meses a oito meses. A espera pode ser maior e depende do processo de recuperação.

  • De acordo com o Hospital Albert Einstein, o processo de recuperação envolve exercícios com bicicleta e fortalecimento muscular, incluindo agachamentos.
  • Três meses após a cirurgia, é possível correr e realizar exercícios aeróbicos, além de musculação.
  • Por volta do quinto ou sexto mês, começam treinos específicos de retorno ao esporte, ainda com cuidados.

Comente:

Deixe um comentário

Este site utiliza cookies para melhorar a experiência dos usuários. Ao acessar nosso site você concorda com nossas políticas de privacidade.