Dia Mundial da Alergia: conheça as mais comuns nessa época de seca, no DF

cOMPARTILHE:

O Dia Mundial da Alergia é lembrado neste sábado (8). A data, definida pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi criada com o objetivo de alertar as pessoas sobre a importância do tratamento dos quadros alérgico, já que em alguns casos a alergia pode causar a morte.

De acordo com a OMS, as alergias atingem cerca de 35% da população mundial e muitos moradores do Distrito Federal conhecem esse sofrimento. Durante o inverno em Brasília, no período da seca, boa parte da população é acometida por quadros alérgicos de rinite e dermatite atópica (veja mais abaixo).

O mecanismo que dispara a alergia é o mesmo que o sistema imunológico usa para defender o corpo de substâncias possivelmente nocivas, como as bactérias. No entanto, em algumas pessoas, o organismo apresenta uma sensibilidade anormal, desencadeada por alguma substância que costuma ser inofensiva, como um alimento ou mesmo a poeira da casa.

De acordo com o Ministério da Saúde, os principais tipos de alergia são as alimentares. Eles geralmente se manifestam com:

  • Inchaço ou coceira nos lábios
  • Diarreia
  • Vômitos
  • Rouquidão
  • Pele mais sensível, áspera e irritadiça

As alergias respiratórias causam:

  • Espirros
  • Coriza
  • Coceira nos olhos
  • Falta de ar
  • Tosse
  • Dores de cabeça

Existem também as alergias medicamentosas, que variam de efeitos mais moderados, como náusea e vômitos, à anafilaxia (dificuldades respiratórias). Além disso, há alergias causadas por insetos ou pelos de animais.

Alguns níveis de alergia – a depender da substância e do grau de exposição – podem causar problemas mais sérios, como erupções cutâneas, vômitos, taquicardia e dificuldade para respirar. Em qualquer caso, a história clínica do paciente é essencial para identificar se há a presença de alergias.

“É importante também observar as condições ambientais: residência, trabalho, contato com animais , e antecedentes familiares, já que há predisposição genética para filhos de alérgicos”, dizem os médicos.

No período de inverno e seca do Distrito Federal muitas pessoas apresentem quadros alérgicos. As duas alergias comuns nessa época são a rinite e a dermatite atópica.

Segundo o médico da Sociedade Brasileira de Dermatologia, Alessandro Guedes, crianças e idosos são os que mais sofrem com a dermatite atópica. “Esse tipo de dermatite se manifesta por falta de hidratação, porque a pele está muito seca”, explica ele.

“No início da lesão uma área específica da pele fica mais seca, com aspecto craquelado. Depois começa a surgir uma vermelhidão no local, e aí vem a coceira”, diz o dermatologista.

De acordo com Alessandro Guedes, para evitar esse tipo de alergia é importante tomar banhos mais rápidos e menos quentes e “caprichar na hidratação da pele” com cremes. “Também é preciso se hidratar por via oral, bebendo sempre muita água. Tem que lembrar sempre de tomar água, e de oferecer água para as crianças e idosos”, afirma.

A rinite também é uma velha conhecida dos brasilienses durante o inverno. A doença, se não tratada, traz impactos negativos à qualidade de vida.

Devido à sensação de nariz entupido, por exemplo, o sono acaba sendo prejudicado e a dificuldade para dormir gera irritabilidade e falta de concentração ao longo do dia, impactando na rotina das pessoas.

De acordo com o coordenador do Departamento de Alergia da ABORL-CCF, Eduardo Baptistella, a rinite alérgica é uma inflamação na mucosa que reveste a parte interna do nariz, devido à reação do organismo em contato com substâncias, como poeira, pelos de animais, ácaros, poluição e mofo, entre outras partículas, reflexo de uma hipersensibilidade do sistema imunológico.

“A lavagem e limpeza do ambiente onde se vive, estuda e trabalha, deve ocorrer com frequência. O uso de vassouras deve ser evitado, pois elas ajudam a espalhar o pó. Por isso, é aconselhável optar por um pano úmido para recolher a sujeira ou o aspirador. Permanecer em ambientes limpos e arejados é importante para prevenir que a rinite alérgica se manifeste”, aconselha.

Se o tempo estiver muito seco, o especialista também recomenda espalhar recipientes com água nos cômodos, ou deixar uma toalha molhada. Isso pode ajudar a reduzir o ressecamento da parte interna do nariz e melhorar a umidade do ambiente.

Além desses cuidados, também é importante ter uma rotina saudável. Manter uma alimentação equilibrada, hidratar-se bastante, praticar atividade física regular e ter boa qualidade de sono são fatores que auxiliam na prevenção de doenças, pois ajudam na resistência do organismo no enfrentamento do problema.

Fonte: G1

Comente:

Deixe um comentário

Este site utiliza cookies para melhorar a experiência dos usuários. Ao acessar nosso site você concorda com nossas políticas de privacidade.