Brasil registra 500 mil casos prováveis de dengue

Foto de um mosquito

cOMPARTILHE:

O Brasil atingiu a marca de meio milhão de casos prováveis de dengue, segundo o relatório do Painel de Monitoramento de Arboviroses do Ministério da Saúde. São 512 mil registros, com 75 mortes confirmadas e 340 sob investigação. O documento mais recente é datado de segunda-feira (12).

Comparado ao mesmo período do ano anterior, o número de casos prováveis quadruplicou, passando de 128.842 em 2023. Minas Gerais lidera com 171,7 mil casos, seguido por São Paulo (83,6 mil), Distrito Federal (64,4 mil) e Paraná (55,5 mil). Roraima, Maranhão e Alagoas têm menos casos, com 93, 261 e 290 registros, respectivamente.

Em termos de incidência, o Distrito Federal tem 2.286,2 casos por 100 mil habitantes, seguido por Minas Gerais (836,3), Acre (582,2) e Paraná (485,3). Roraima (14,6/100 mil), Sergipe (17,8) e Piauí (18,9) têm os menores índices, de acordo com o relatório. As mulheres representam 55% dos casos, enquanto os homens correspondem a 45%.

A vacinação contra a dengue teve início este mês, com a distribuição de vacinas para municípios que atendem aos critérios estabelecidos pelo Ministério da Saúde em conjunto com o Conass e Conasems. Começando com crianças de 10 a 11 anos, a imunização será gradualmente expandida conforme novos lotes sejam entregues.

A Anvisa emitiu recomendações sobre o uso de repelentes no último domingo (11), destacando a importância de entender o modo de uso e a eficácia do produto, especialmente contra o Aedes aegypti. O uso em crianças requer atenção especial, com restrições para menores de 2 anos e concentrações limitadas para crianças de 2 a 12 anos. A Anvisa também alerta sobre produtos sem comprovação científica de eficácia, como os à base de citronela, andiroba e óleo de cravo, que não são recomendados.

Neste momento crítico, é fundamental que cada cidadão faça a sua parte para combater a dengue, informam os órgãos de controle. A eliminação dos focos de reprodução do mosquito e a busca por cuidados médicos ao primeiro sinal da doença são medidas simples, mas que fazem toda a diferença na proteção da comunidade.

Comente:

Deixe um comentário

Este site utiliza cookies para melhorar a experiência dos usuários. Ao acessar nosso site você concorda com nossas políticas de privacidade.